Área Restrita

Conheça o sistema de cores de tubos utilizados na coleta sanguínea

14/12/2017
Notícias
Graduação

 

Com certeza, todo mundo já que coletou sangue observou que os tubos utilizados pelos laboratórios, hospitais ou clínicas são diferentes. Cada um tem uma função, quer ver quais são? Então vamos lá!

Os tubos para coleta sanguínea são utilizados em punções venosas com a finalidade de transporte e processamento de amostras, eles podem ser de vidro ou de plástico, podem ou não ter vácuo e são estéreis.

Os tubos são específicos para cada tipo de análise. Por isso, é muito importante que o profissional responsável pela coleta saiba diferenciar cada um e também conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.

  • Tubos com citrato de sódio (tampa azul-claro) – análises de coagulação;
  • Tubos para soro com ativador de coágulo, com ou sem gel separador (tampa vermelha ou amarela) – análises bioquímicas ou sorológicas;
  • Tubos com heparina com ou sem gel separador de plasma (tampa verde) – análises bioquímicas ou gasometria;
  • Tubos com EDTA (tampa roxa) – análises hematológicas;
  • Tubos com fluoreto de sódio (tampa cinza) – análises glicêmicas;

Além de saber diferenciar os tubos, alguns cuidados devem ser tomados: respeitar o volume cítrico de cada tubo, a ordem para a coleta e a homogeneização das amostras. A ordem correta durante a coleta é indispensável para não ter alterações nos parâmetros analíticos, visto que, se for realizada de forma incorreta, há risco de contaminação de aditivo de um tubo para o outro.

A sequência deve ser: tubo com citrato de sódio (tampa azul), tubo sem anticoagulante (tampa vermelha ou tampa amarela), tubo com heparina (tampa verde), tudo com EDTA (tampa roxa) e tubo com fluoreto de sódio (tampa cinza).

 

Agora que você já conhece os tubos, lembre-se: a precisão dos resultados depende muito de uma boa coleta!

 

Texto: Katia Tichota - Coordenadora de Biomedicina

 

Veja Também

11/05/2016
Graduação

O papel da Enfermagem na Reabilitação Física

A história da reabilitação na Enfermagem não é recente. Florence Nightingale, em 1859, deixava claro em seus escritos, as intervenções de enfermagem apropriadas para o cuidado e a reabilitação de pessoas lesionadas na guerra. Entre 1940 e 1950, registrou-se um desenvolvimento significativo na área da medicina da reabilitação, com a criação de unidades especializadas em reabilitação física e a formação de médicos fisiatras. No Brasil, o primeiro modelo assistencial para a reabilitação de pessoas com deficiência física foi introduzido na década de 1950, essencialmente nos centros reabilitadores. Entretanto, a atuação do enfermeiro na reabilitação física só foi impulsionada...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem